Doidivanas enfrenta pandemia com arte: Moenda no Sofá e Sessões Distantes

Música contra o caos e criatividade para afugentar a doença! Após o lançamento do videoclipe colaborativo “Próximos Distantes“, a banda de rock gaúcha Doidivanas participa do projeto Moenda no Sofá, com o vocalista Felipe Mello fazendo uma live nesta quarta-feira, 29/04, às 19h, nas redes sociais do festival. Tudo isso na sequência das “Sessões Distantes“, no qual Felipe apresentou – em formato voz e violão – 10 canções selecionadas entre os cinco álbuns do grupo, divididas em três especiais e disponibilizadas, desde a semana passada, no canal do YouTube da banda.

Felipe Mello participa do projeto Moenda no Sofá

Moenda no Sofá celebra união entre banda e festival

A banda Doidivanas tem uma trajetória intrínseca e marcante junto ao Festival da Moenda da Canção, realizado desde 1986, em Santo Antônio da Patrulha, cidade de cultura litorânea, pertencente à região metropolitana de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. O festival de música é um dos principais eventos que celebra a diversidade cultural produzido no Estado gaúcho.

“É com imenso prazer que voltamos à Moenda. Mas agora, no sofá. O festival foi um dos berços da Doidivanas, no final da década de 90 e início dos anos 2000. Nesta live, falaremos sobre a nossa experiência por lá e tocaremos as músicas que marcaram nossa relação”, declara o cantor e compositor Felipe Mello.

Uma relação que foi fundamental para a carreira da banda. Em 1996, a Doidivanas participou do festival com a música Balada Bovina, uma mistura bem-humorada de rock, funk metal e vaneirão. A ótima receptividade da mídia, artistas e público por esta composição, na Moenda da Canção, impulsionou o trabalho do grupo que intensificou a pesquisa e a mescla do rock com elementos da musicalidade regional gaúcha e brasileira. Esta participação acabou propiciando o lançamento do álbum de estreia da Doidivanas: Liber Pampa (1998).

O grupo tocou no festival, fazendo shows ou mostrando composições inéditas, em diversas oportunidades. Na décima segunda edição, em 1998, participou com “Passagens e Portagens“. Em 2001, emplacou duas músicas na coletânea do festival com “A Roda Inventou o Homem” e a “Flor da Encarnação“, faixas que integrariam o álbum “Viagem ao Sul da Terra” (2002).

Depois de um intervalo nas atividades, em 2017, a Doidivanas também retornou à cidade para se apresentar no projeto Cria: Mostra de Música Autoral, no jardim do Museu Antropológico Caldas Júnior, em uma dobradinha com o cantor Bebeto Alves. Oportunidade que gerou o videoclipe de “Sangria – releitura da banda para composição do saudoso compositor arroio-grandense Basílio Conceição – com o cantautor Zelito, que participou como convidado especial do show da banda na ocasião.

Então, um pouco maia destas histórias, você pode acompanhar – ao vivo e online – através do Instagram da Doidivanas ou pela página do Facebook do festival Moenda da Canção, nesta quarta-feira, 29/04, a partir das 19h.

Felipe Mello em violão e voz

“Sessões Distantes” mostra interpretações “desplugadas” do repertório da banda

Depois da repercussão positiva da produção do videoclipe colaborativo “Próximos Distantes“, lançado em início de abril, o vocalista Felipe Mello decidiu registar em vídeo algum versões “desplugadas” das composições da Doidivanas em vídeo. Ele gravou 10 versões de músicas do repertório da banda, em voz e violão, selecionadas entre os cinco discos lançados pela Doidivanas, entre 1998 e 2017.

São três especiais – chamados de “Sessões Distantes” – gravadas diretamente da residência de Felipe, em Cruz Alta, que contaram com edição de vídeo e áudio do publicitário, músico e “doidivanas” Daniel Cuca Moreira. A primeira sessão estreou na terça-feira, dia 21/04; a segunda, sexta-feira (24/04); e a terceira e última parte, no último domingo (26/04).

Todo o material destas sessões está disponível, gratuitamente, no canal do YouTube da banda.

Para ouvir as versões originais das músicas que compõem as “Sessões Distantes:

Parte I

1. Pro Laranjal e pra Todo Mundo (https://youtu.be/A14puHWJBsY)
2. Falso Temporal (https://youtu.be/F8VCX-MDG3Q)
3. Anos Noventa (https://youtu.be/xhO6gF1mqTo)

Parte II
1. Nós Sorriso (https://youtu.be/RenaInuDNrc)
2. O Trem no Pomar (https://youtu.be/BbTKO0F3YVA)
3. La Canción del Punk (https://youtu.be/WEoH7HIltKQ)

Parte III
1. In Di Vi Dua Lis Mo (https://youtu.be/_U-152uSRjc)
2. 300 Noites (https://youtu.be/xrdLUBgjTg8)
3. Passagens e Portagens (https://youtu.be/D6yniiwmNIA)
4. Doidivanas (https://youtu.be/zswQr0uvFkI)

Banda Doidivanas: Rodrigo Osório (baixo), Daniel Conceição (guitarra), Felipe Mello (vocal), Daniel “Cuca” Moreira (baixo e violão) e Rodrigo dMart (bateria) – (Crédito: Luigi Sodré)

Sobre a Doidivanas

A Doidivanas surge em 1995, na cidade de Pelotas (RS), criando uma fusão entre o rock, elementos da cultura regional gaúcha e estilos contemporâneos e tem cinco discos gravados: “Liber Pampa” (1998), CD e HQ “Doidivanas & Libório” (1999, em parceira com o cartunista André Macedo), “Viagem ao Sul da Terra” (2002) e “Nosotros” (2008), um álbum de releituras de artistas, compositores e bandas gaúchos, brasileiros e latino-americanos, e “Próximos Distantes” (2017).

A banda é composta pelo vocalista Felipe Mello, que está em Cruz Alta, pelo baixista Rodrigo Osório, o guitarrista Daniel Conceição, o violonista e baixista Daniel Cuca Moreira, residentes em Pelotas, e pelo baterista Rodrigo dMart, atualmente em Porto Alegre.

O grupo realizou shows em casas de espetáculo, projetos, mostras coletivas e festivais no Rio Grande do Sul, em São Paulo e no Uruguai. Ao longo de mais de 20 anos, a Doidivanas desenvolve um processo criativo de investigação e experimentação sobre ritmos sulistas (como a vanera, o chamamé, o xote, a chacarera e a milonga), instrumentos tradicionais (o acordeon, a gaita-ponto, o bumboleguero), a linguagem e a poesia nativistas (dos causos, das canções e ditos populares) para fundí-las com a musicalidade urbana atual.

Em 2015, o grupo lança uma versão digital do seu álbum de estreia, chamada agora de “Liber Pampa Remexido”, apresentando 12 faixas remixadas e remasterizadas, melhorando sua sonoridade, além de incluir arranjos e instrumentos que haviam sido eliminados da versão original de 1998. A venda online, que inclui ainda os discos “Viagem ao Sul da Terra“ (2002),  “Nosotros” (2008) e “Próximos Distantes” (2017), está disponível em mais de 30 lojas e sites de streaming e download, como Spotify, Deezer, Google Play e Apple Music.

O álbum “Próximos Distantes” foi gravado e mixado no A Vapor Estúdio, em Pelotas, entre agosto de 2016 e maio de 2017, com produção musical de Negrinho Martins. O projeto teve produção executiva de Yara Baungarten, da Imagina Conteúdo Criativo, e conta com o financiamento do edital ProCultura, da Secretaria Municipal de Cultura de Pelotas.

Para conhecer mais sobre a Doidivanas

Sobre a trajetória da banda, clique aqui. E siga a banda no Instagram, Facebook e YouTube.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s